Páginas

22 de out de 2011

Água


Está dentro de mim, porém sempre preciso suprir
Para atravessar, sair do porto e não ficar a deriva
Cabe em uma gota, ou enche um mar inteiro
Correnteza que leva a vela para ver o por do sol
Sua presença traz alegria e também tristeza
Nunca está morta e mesmo assim pode matar
Contorna a beleza e abre uma montanha
E para o descobrimento a terra do mar
Escapa entre os dedos, mas em gelo ela está
É para poder viver ou para se afundar
É nobre em seu ser, mas esquecem de respeitar
É no seco uma abundante miragem
Em um deserto é dona de toda a parte
Do mediterrâneo ao atlântico é Rainha
Por onde vai contorna até passar
E corre nos braços e veias levando ar
Orvalho, pedra, vapor, É...
Água...

"Com Participação de Rafael  Balsanelli"

Nenhum comentário:

Postar um comentário