Páginas

30 de set de 2011

Onde Você Se Perdeu?



Ver você viva e tão apagada
Com um olhar triste e distante
Presa em seu quarto escuro
Suas mãos trêmulas e pálidas
Seus cabelos grisalhos e macios
Faz-me pensar...
Onde você se perdeu?
Se agora estás em paz
Sua voz arrasta e cansada
Tenta dizer meu nome
Mas se afoga
Ainda há pedaços de você
E um lindo sorriso em seu coração
Onde você se perdeu?
Quem quebrou sua alma?
Não me deixe fugir assim...
Sem ver você viva
Preciso da sua respiração
Para alimentar meu amor
De sua voz para me trazer calma
Abra seus olhos para mim
Quero lhe agradecer tudo que me ensinou
Quero lhe dizer “Eu Amo Você”
E depois receber um abraço apertado seu
Não me faça mais chorar!
Onde você se perdeu?

23 de set de 2011

O Peregrino


Todos acham que eu estou perdido na estrada que eu escolhi seguir
Mas eles não sabem que fiquei dias escolhendo o caminho melhor
Por muito tempo escolhi atalhos que me fizeram ver um mundo assustador
Uma solitária busca pela verdade, acabei encontrando algumas mentiras
E mesmo com tantos segredos do mundo, descobri toda a essência humana
Alguns amores ainda são intensos em minha memória e outros nem lembro
Mas tenho sempre que acordar cedo e enfrentar todos os meus demônios
Minha mãe quer sempre me proteger e eu sempre consigo fugir de seus braços
Com tantas coisas sempre dando erradas, sei que nunca poderão ser certas para mim
Nunca poderei ficar totalmente protegido e escondido em meu esconderijo
Continuo não tão forte como antes em busca de sabedoria para entender meu interior
Sinto-me como um trem seguindo para desconhecidas terras estrangeiras
Sempre parando e olhando para trás, pois não me esqueço de onde eu vim
E mesmo que consiga obter sucesso e me abasteça com bastantes riquezas
Não poderei jamais esquecer dos que nunca acreditaram que eu poderia
Pois foram eles que me empurraram para essa peregrinação
Esquecer dos que quando me viram cair, não me deram a mão para eu levantar
Vou estar do outro lado sorrindo dono de mim mesmo e de braços cruzados
Mas por enquanto estou apenas caminhando como um peregrino
Longe de toda proteção do meu esconderijo e sentindo falta do cheiro da minha mãe
Sou apenas um peregrino assustado, mas com a certeza de estar no trilho certo.

Depressão




Você pode acordar e fingir que está bem
Ter medo de ir lá fora e sorrir para o vizinho
Dizer bom dia ao entregador de jornal
Mas seus olhos estão inchados e vermelhos
Há vasos com rosas mortas na janela frontal
Você pode simplesmente não levantar da cama
E rezar para ninguém lembrar que você existe
Mas tem trabalho e horários a cumprir
Como burlar os olhares curiosos?
Como ser vivo quando estamos mortos por dentro?
Podre, morto, degradante, consumido pelo medo...
Pelo medo das luzes que iluminam sua solidão
Das canções felizes e do barulho das crianças do vizinho
Ter medo dos latidos irritantes dos cães
Ter medo e vagar pela casa madrugadas a dentro
Empilhar caixas de remédios e não atender ao telefone
Ter medo de alguém bater na porta e chamar por você
Não pensar no dia em que você olhou pela primeira vez para mim
Não escutar o seu disco preferido à noite inteira
Esconder todas as fotografias e não fumar muito
Nada de beber todos os dias escutando Chico
Nada de tentar ser feliz novamente
Isso pode trazer mais uma dor insuportável
Chorar... chorar... Se olhar no espelho por horas
E nunca deixar de matar parte de si todos os dias

5 de set de 2011

Paz


Eu já vi tantas por aí
Hoje quero ver você
Quero vê-la sorrir
e tentar esquecer
Todo mal oculto
Deste pedaço de chão
Ser seu por longo tempo
e ter você todo amanhecer
Cantar canções sobre luar
Tocando seu coração
Fazer-te chorar de rir
e rir ao ver você sonhar
Quero ser seu caminhar
No caminho certo da paz
e se acaso se perderes,
Serei o vento a te levar
De volta para os braços
Do nosso encontro “O Amor”