Páginas

11 de jun de 2017

Diego Restaurado

 
O silêncio foi quebrado
A Luz dominou poderosamente
As trevas foram sufocadas
Corações me seguraram
Súplicas constantes, me erguiam calmamente
O Divino, na hora Dele, me levantou
Eu, sentia falta de mim mesmo
Daquele, “eu” adormecido
O agarrado a constelação
Que não estava morto
Apenas, adormecido e impedido de acordar
Pelo o monstro que o mundo colocou em cima
Que o mundo, com ajuda de mim mesmo, tentou me dilacerar
Mais a luz, me encontrou
E eu acordei
Voltei, para brilhar e reconstruir o perdido
Votei para mim mesmo
Voltei para tentar chegar ao sublime celestial
E agarrar, firmemente o meu eu perdido
E nunca mais me perder.