Páginas

14 de mar de 2014

Esconda o cego perdido
Onde suas lágrimas não alcançam
Tire-o do seu caminho virtuoso
Onde suas pernas trêmulas descansam
Esqueça-o no fundo dos seus medos
Exclua-o dos seus piores pesadelos
Se puderes e fores capaz...
Apague-o das suas histórias vitoriosas
Afogue o seu olhar das suas lembranças
E nunca mencione o seu nome
E nunca sorria ao lembrar-se dele sozinha
Sufoque seu alegórico coração...
Grite “Não!”, para todos os seus “Sins”.
Seu poder não o alcança mais
Pois ele partiu