Páginas

14 de nov de 2012

Apagar-se


 Pedaços do meu amor
No que resta no sopro do teu olhar
Meu cheiro...
Nos traços das tuas mãos trêmulas
Teu grito para alcançar
Minha carreira solitária
Queres guardar minha saliva
Em um manto sujo que aquece seu coração
Queres-me por horas
Em todos os atrasos do “Sempre”
Em apenas alguns segundos
Traçar meu meticuloso plano de fulga
Mesmo que minhas linhas sejam tortas
Esmorecer tudo aquilo que me afoga
Sair do seu chão para outro horizonte
E num piscar dos olhos, apagar-se...