Páginas

28 de abr de 2011

O Monstro


Olhe para o monstro que você criou
O monstro que você expôs a sociedade
Tranque-o no quarto e amarre-o
Não o deixe se aproximar de ninguém
Finja que ele não existe, esconda-o.
Faça todos sentirem medo dele
O odeie de uma forma contaminadora
Queime suas fotos de criança
Ou suje todo o sorriso encontrado
Mate-o aos poucos todos os dias
E um dia ele estará morto para você
O monstro não será mais seu
E nunca se lembrará de sua existência
Contamine sua esperança com suas pragas
E o odeie com toda sua força
Mate-o lentamente
Um dia ele não será mais seu
O odeie de uma forma contaminadora
Um dia ele estará morto para você



20 de abr de 2011

Aqui


Quem vem pra ser
E não consegue ser
Desiste e vai...
Sem olhar pra trás
Quem toca e não possui
Quer prender pra si
Mas perde o tempo
E deixa escapar
E o tempo vai...
Passar por si
E não se encontrar
Olhar nos olhos
E não entrar
Ver o amor
E não sentir
Deixar fugir...
Parar no tempo
Não ser ninguém
Passar por aqui
E não marcar
Ser mais um
E mais um...
Apenas um
Que passou
E não ficou
Aqui...

14 de abr de 2011

O Abismo



Uma tarde tempestuosa
Meu coração sente frio
A casa esta silenciosa
Não tiro o olhar da porta
Espero sempre sua volta
Um drink e a nossa música
Tocada repetidas vezes
Onde você está?
Pelo menos um sinal
Que você está bem
Ou uma esperança
Que voltarei a vê-la
Não me deixe perdido assim
As flores do jardim estão mortas
A cama não tem mais o seu cheiro
Tudo agora é uma desordem
Pois quando eu me sentia perdido
Você sempre estava aqui pra mim
E quando eu me sentia apagado
Você despertava meu espírito
Não posso mais viver assim
Estou apagado, mergulhado
No abismo da tristeza e solidão
Onde o sol não me atinge
E a tempestade é incessável


13 de abr de 2011

A Base da Pirâmide do Brasil


Pessoas abandonadas
Sujas e com fome
Famílias destruídas
Assassinos soltos
Crianças jogadas nas ruas
Idosos sem lar e saúde
Adolescentes viciados
Natureza destruída
Guerras políticas
Guerras religiosas
Guerras pelo poder
Tráfico humano
Penitenciárias
Fábricas de monstros
Educação emergente
Tráfico de drogas
Prisão domiciliar
Heróis esquecidos
Culturas destruídas
Animais extintos
Capitalismo sujo
Números pintados
Em papéis verdes
Prostituição infantil
Justiça cega
Lavagem cerebral
Corrupção epidêmica
A base da pirâmide
Do Brasil

Selvagem


Esse teu não
Que soa sim
Nervosa...
Tira roupa
Seja minha
Nesta cama
Pele e pele
Quente...
Minha língua
Carinhosa...
Tocar dentro
Morder a orelha
Arranhar as costas
Selvagem...
Estar dentro
E sair rapidamente
Repetição...
Parede
Em cima
Em baixo
De lado
De costa
Descontrole
Gritar
Gemer
Cansar
Gozar

11 de abr de 2011

Só O Tempo Vai Dizer...


Não me veja como seu futuro
O que eu sou pra você não é verdade
Eu não devo ser tão importante assim
Pra você me fazer uma prioridade
Não seja tão frágil e dependente de mim
Não faça eu me sentir insubstituível
Não se jogue tanto assim...
Porque o que eu significo pra você,
Não é o que você significa pra mim
Um dia sozinho trancado no escuro
É disso que estou precisando agora
Deixe-me sentir o seu desprezo
Ver você ir e pensar que não vai voltar
Deixe-me semanas sem notícias suas
Deixe eu tentar sentir falta de você
Pois o que sinto, não é de verdade.
Talvez minha vida não seja minha
E minha cabeça seja tão suja
Que meu corpo não se segura
O que eu preciso é ter certeza
Que eu te farei bem toda vida
Não quero me sentir culpado
Eu não amo você
Eu amo o jeito que me sinto
Quando estou contigo
Sinto-me em paz
Sinto-me seguro
Por isso vou continuar
Tentando ser melhor pra você
Para você ter o que merece
E eu ser merecedor do seu amor
Mas hoje, não se jogue tanto.
Só o tempo vai dizer...