Páginas

25 de fev de 2012

A Chuva


Nesta manhã tranquila
Estou aqui sozinho
Está tudo tão calmo e sereno
Apenas barulho da chuva
Que desaba lá de cima.
Você deve estar dormindo
Confortável em sua cama
Isso é simplesmente normal
Embora eu aprecie a solidão
Eu não me importaria,
Em estar um pouco com você
Nessa manhã preguiçosa
Velar seu sono e ver você acordar
Quem sabe, isso vá acontecer.
Queria que fosse “daqui a pouquinho”
Na sua casa ou na minha
Longe de todos os despertadores
No escuro e conforto de seu quarto
Ou na bolha vazia do meu...
Longe de todas as campainhas
De todos os barulhos do amanhecer
Mas estou preso fora de você
E vejo o dia nascer quebrado
Escondo as feridas que a noite me trouxe
Talvez a minha cura esteja em suas mãos
Mas sei que isso nunca caberá a você
Deixa a chuva levar meu cansaço
E o frio sossegar meu olhar
Preciso descansar meus olhos
E quando você acordar, sinta o dia
Pois quando o vejo, me escondo.

18 de fev de 2012

A Cura


Eu tenho que ser isso
Porque eu sou isso
Todos os dias acordo assim
E quando eu bebo
Pioro um pouco mais
Meus cabelos arrepiados
Meu bafo de cerveja
Meus dedos amarelos
Marcas de cigarros
Minha ressaca
Depois do meio dia
Minha festa particular
Cure, Smiths e Rorô
Chico pra acalmar
Quando Estou bêbado
Ok...
Minha solidão é alcoólatra
Sinto falta de pessoas
Mas não de qualquer...
Quero amanhecer
Mas prefiro dormir
Em pleno carnaval
Os homens choram
Mesmo sem religião
Enquanto 2+2=5
Prefiro gritar yes do rock
Ou chorar com yolanda
Ver as vitrines
Com panfletos
“Todo Carnaval Tem Seu Fim”

16 de fev de 2012

Commedia Erudita


Preciso gritar
Somente para escutar minha voz
E que ninguém ouça
Não preciso de atenção forçada
Não estou pedindo socorro
Não me venha com ideologias falidas
Preciso do escuro de baixo da minha cama
“Não ter para onde respirar meu batimento cardíaco”
Passar marchas andando parado na contra mão
Aceitar todo o frio da sauna do inverno
Sentir a multidão do deserto glacial
Perder o tato para talvez ver melhor
Jogar-se da calçada em busca de suicídio
Nada de manteiga para tapar buracos
E de ventos para atracar navios
Sinto medo de cobras e escorpiões
Mas sei lidar com aranhas mancas
Preciso ser arrogante para deleitar minha humildade
Destruir meu castelo de cartas marcadas
delatar o pierrô cansado...

Dentro


Quebrar ciclos
Querer que coisas
Inusitadas aconteçam
Sair do marasmo
Querer alguém
Sem máscaras
Que traga
Cura para minha impaciência
Meu balançar das pernas
Quero mudanças
Mas pareço esperar por algo
Pra provocar isso
Quero alguém com
Percepção absurda
 
Por: Diego Nobre e Klicia Haick

Dentro

Quebrar ciclos
Querer que coisas
Inusitadas aconteçam
Sair do marasmo
Querer alguém
Sem máscaras
Que traga
Cura para minha impaciência
Meu balançar das pernas
Quero mudanças
Mas pareço esperar por algo
Pra provocar isso
Quero alguém com
Percepção absurda
Por: Diego Nobre e Klicia Haick

10 de fev de 2012

Extinção


Respire fundo
Conecte com sua energia
Perca a conexão física
Entre no sagrado holístico
Sinta a carga espiritual
Sua mente, espírito e coração
Em seu corpo taxidermizado
Sábios preveem a catástrofe
Profetas da maldição
Premissas atuais suicidas
Questão de vida ou morte
Redução populacional “peste negra”
Explosão humana “petróleo”
O mundo ligado a uma tomada
Cidades inteiras em falência
Torres destruídas
Terrorismo religioso
Milhões trucidados pela guerra
Colapso em todos os impérios
Como Roma e sua soberania
Estamos na rota do iceberg
Sem botes salva-vidas para todos
Sistema financeiro fraudulento
Depressão econômica
Corrida contra o esgotamento
Recursos naturais
“procurar, caçar e coletar”.
O Governo sempre diz:
-Tá tudo bem!

Sistema
Extinção