Páginas

2 de mar de 2012

Fantasma


Posso sentir seu toque harmônico
Em minha previsível rima dissonante
Mas a dança sempre é a mesma
Nunca consigo ver sentido algum
O que você quer representar realmente?
Sei que queres apenas me analisar
Não existe preço para a individualidade
Eu sempre posso ver você se aproximar
Mas sei que nunca irá me alcançar
Pelo menos por enquanto...
Todo processo nem sempre é confuso
Nem sempre apenas morremos
As flores nem sempre são tão lindas
E nem sempre choramos por tristeza
Podemos ir para o lado negro
Podemos lembrar algum tempo e sorrir
Ou simplesmente mentir
Acreditar irrevogavelmente no amor
Ou sair sem rumo em busca de risadas
Mas acordar todos os dias me enlouquece
Sempre vejo você tentando fazer o certo
Construímos muros altos em volta de si
Tentando subitamente proteger o coração
Desejo que tudo o que faça tenha mais expressão
Os meus sentidos estão cada vez mais obsoletos
Estou apenas tentando salvar minhas canções
Tentar desistir da idéia de me tornar um fantasma

3 comentários:

  1. Quando os primeiros gregos inventaram a tragédia
    Percebi que era tarde demais para ser sozinho
    No calo que resfolegava em meu peito inebriado
    Nada mais calava a boca do menino dócil e pueril
    Vi Nietzsche branir o seu últmo termo epstemológico
    Quando a vida parecia precipitar nas ondas gotas de loucura

    ResponderExcluir
  2. Ainda que fossemos um só
    Ainda que pensamentos num devir de saudade
    Ainda que por algum motivo não pudéssemos mais desejar o outro por não existir
    Ainda assim tu existiria em algum lugar
    E ainda que só na minha mente.

    ResponderExcluir
  3. Aos amigo poetas
    Ainda que nos calemos
    Ainda haverá gritos em nosso olhar
    Ainda que gritemos
    Ainda haverá silêncio do coração
    Ainda ficaremos perdidos dentro de nós

    ResponderExcluir